Quanto pesam as suas emoções?

De olho no fator emocional como desencadeador do excesso ou da carência de alimentos, nutricionistas aliam a terapia floral ao tratamento

Na alegria ou na tristeza. Para co memorar as vitórias ou chorar as derrotas. Sozinho ou acompanhado. Quando se está cansado ou cheio de
energia. De uma forma ou de outra, boa parte das pessoas projeta na comida os seus sentimentos. Segundo o nutricionista e terapeuta floral Gilclay Gomes de Abreu, de Volta Redonda, interior do Rio de Janeiro, o alimento assume vários símbolos.

“Cada paciente tem uma conexão diferente com ele. E essa relação pode provocar peso excedente, mas também outras patologias, a exemplo da anemia, anorexia e bulimia”, conta. “Em geral, por razões diversas, ao comer, se busca um alívio, um ‘anestésico’ para os incômodos que
estão na mente, na alma.”

É por ter esse olhar integral para o ser humano, que Gilclay optou por acrescentar a terapia floral ao seu trabalho como nutricionista.

“Como as emoções são o campo de atuação dos florais, conforme as essências vão sendo ingeridas, algum trauma, medo ou qualquer outro sentimento é trazido para a consciência. Assim, descobre-se a causa que leva, por exemplo, alguém a se alimentar compulsivamente. Daí, o emagrecimento é consequência”,

explica ele, com especialização em nutrição clínica e ortomolecular.

Já faz algum tempo que a nutricionista e terapeuta floral Roberta Oliveira, da Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, também descobriu que o mundo emocional precisa ser levado em consideração quando o assunto é alimentação. E, por isso, uniu as duas profissões.

“A terapia floral ajuda a trazer maior clareza do que estamos sentindo e a resgatar o que falta na maioria das pacientes adultas que atendo: o amor-próprio”,

explica ela (veja abaixo o depoimento de Livia, que se tratou com a nutricionista).

Roberta – idealizadora do Espaço Nossa Casa, com terapias e atividades para cuidar da mente, do corpo, das emoções e do espírito – diz que usa essa terapia complementar também com algumas famílias que procuram auxílio para as crianças. “Durante a consulta, vamos entendendo que muitas vezes a questão alimentar é apenas reflexo do contexto emocional da família e os florais ajudam a lidar melhor com isso.

Por exemplo: um garoto começa a comer muito doce como forma de ‘compensar’ a ausência de carinho e acolhimento”, diz. “Há pais que trabalham muito e não conseguem ter um tempo de ‘qualidade’ com o filho.
Levando em consideração que o grande foco deles é a alimentação, para chamar a atenção, alguns deixam de comer ou comem muito.” Afinal, o peso emocional e o da balança andam lado a lado.

Segura e em paz com a balança

A coach de propósito de vida Livia Vianna relata a sua experiência com o tratamento nutricional para emagrecer unido à terapia floral.

Quando eu procurei a Roberta, queria perder peso e fazer a reeducação alimentar da minha filha. Naquela época, me definia pelo número da balança. Por questões estéticas, ficava fissurada em emagrecer ou para vestir um tamanho 38 ou para pesar 62 kg. Ao mesmo tempo, não queria deixar de tomar um vinho com o meu marido, ir num restaurante porque estava sempre de dieta.

Eu sabia que não era gorda, meus exames estavam ok, então, por que eu tinha essa necessidade tão forte em emagrecer? Ao tomar o floral, eu comecei a enxergar coisas que sem ele não estava conseguindo.

Passei a me aceitar melhor, como eu sou, como o meu corpo é. A terapia floral me fez enxergar também que eu prefiro ser feliz do que sofrer, passar sacrifício, a troco de quê? Para que chegar a esse padrão que a sociedade
impõe? O floral é mesmo uma ferramenta maravilhosa, mas é importante encontrar um bom profissional e confiar.”

Ilustração: Sandra Javera
Contatos: Gilclay Gomes de Abreu – gilclay@gmail.com, Livia Vianna – www.seuproposito.com, Roberta Oliveira – Instagram: @robertaoliveira_nutricionista

Gostou desse artigo? Se quiser receber por email a 5a. edição da revista Essência Healing, clique aqui.







Para o topo