Mães tranquilas, filhotes equilibrados

Nervosas e distantes de seus instintos maternos, uma mamãe dobermann e uma coelha não conseguiam cuidar de seus filhotes. Poderiam matá-los de fome ou pisoteados. Ambas tomaram florais e mudaram completamente seus comportamentos.

Num mundo onde muitas pessoas es tão constantemente ansiosas e cor- –
rendo contra o tempo, era de esperar que os pets se comportassem da mesma maneira. Essa energia coletiva é absorvida pelos animais e a nova geração de filhotes tem se apresentado mais agitada. Quando adultos, continuam hiperativos, nervosos, medrosos e, até mesmo, agressivos. É um
círculo vicioso que se forma, as fêmeas estressadas e temerosas têm filhotes com o mesmo padrão de comportamento.

Para ilustrar, vou contar dois casos que atendi recentemente: uma mamãe dobermann e uma mamãe coelha-miniatura. Elas passaram por consulta porque tinham problemas para cuidar de sua prole. Não reconheciam seus filhos logo após dá-los à luz. E, provavelmente, iriam deixá-los morrer sem amamentar. Pior ainda, poderiam pisoteá-los e comê-los.

Muitas crias são afastadas das mães e amamentadas artificialmente.

Boa parte das pessoas acha que as fêmeas são mães zelosas que cuidam e defendem seus filhotes até mesmo com a própria vida. Mas nem sempre é assim! Em alguns casos, por motivos como estresse, genética e ambiente, elas se tornam uma ameaça à vida de seus filhos.

Os sinais emocionais da dobermann e da minicoelha eram semelhantes aos que descrevi. Tinham que ser vigiadas para amamentar corretamente seus filhotes e não agredi-los. Indiquei alguns florais para tratar do medo e da ansiedade e para trabalhar a energia afetiva maternal.

Em 24 horas, elas reagiram positivamente. Recuperaram o instinto maternal, tornando-se mães calmas e dedicadas, amamentando-os e limpando-os carinhosamente. O mais interessante está sendo acompanhar o desenvolvimento dos filhotes da minicoelha. Eles são mais tranquilos do que o habitual, não se assustam nem mordem – esses animais são, naturalmente, muito assustados. A própria mãe coelha, que era de temperamento difícil, está bem dócil.

Se todas as mães humanas ou animais pudessem receber os florais, essas “gotinhas milagrosas”, acredito que teríamos crianças e filhotes mais felizes, além de famílias mais equilibradas.

Ilustração: Sandra Javera
Contato: Eunice Parodi – www.floralvita.com

Gostou desse artigo? Se quiser receber por email a 5a. edição da revista Essência Healing, clique aqui.

Para o topo