Projeto Beth Bruno: Rede Solidária na Pandemia

Práticas integrativas e complementares, especialmente a Homeopatia e os Florais de Bach, oferecidas pelo Projeto Beth Bruno, ajudaram comunidades a atravessarem os desafios trazidos pelo coronavírus.

Nascido em 2010, com a missão de disseminar a prática do cuidado integral tanto em cidades quanto nas zonas rurais do Norte do Brasil, incluindo comunidades ribeirinhas, indígenas e quilombolas, o Projeto Beth Bruno comemora 10 anos de existência em 2020. Justo neste ano de pandemia, que desafiou o planeta a priorizar a saúde física, mental e espiritual.

Ao longo da última década, o projeto formou mais de 1000 agentes de saúde, dentre eles, 120 terapeutas, incumbidos de sensibilizar a população local e suas famílias a respeito das práticas integrativas e complementares, tais como Florais de Bach, Homeopatia, Reiki, Fitoterapia, Bioenergética, Meditação e Auriculoterapia, e, principalmente, torná-las parte dos cuidados cotidianos com a saúde nessas comunidades.

Uma teia em expansão

O projeto Beth Bruno iniciou suas atividades em Santarém, no Pará, e, com o tempo, foi se expandindo para outras localidades paraenses e também para outros estados, como Roraima, Amazônia, Piauí e Maranhão. Atualmente, 21grupos, subdivididos em grupos menores dentro das suas respectivas áreas de atuação, atendem em torno de 30 comunidades.Essas pessoas se abriram para novas formas de cuidar e ser cuidado e contam diretamente com esta teia que pensa, sente e age em função de um mesmo propósito.

Então, quando a pandemia se alastrou pelo mundo, atravessando a vida de todos, graças ao Projeto Beth Bruno, havia uma gama de recursos terapêuticos, já bastante familiares, à disposição das pessoas. Além de uma rede solidária consolidada pela própria cultura nortista, que valoriza as trocas humanas e respeita a vida.

“Os agentes de saúde do Projeto Beth Bruno são pessoas muito simples. Por outro lado, têm uma cultura muito forte da vivência comunitária, de se ajudarem, de um cuidar do outro”, enaltece Marialva Oliveira da Costa, coordenadora do Projeto Beth Bruno.

Saberes ancestrais e cuidados holísticos se potencializam

Além disso, destaca Marialva, os habitantes das comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas já sabiam muito sobre chás, remédios caseiros, uso das plantas, banhos, rezas. Felizmente, a intimidade com os cuidados naturais herdados da ancestralidade gerou forte identificação com as práticas integrativas e complementares apresentadas pelo projeto. Um frutífero encontro de saberes que dialogam entre si e se amplificam, ofertando a todos um suporte valioso em tempos críticos.

 “Quando o Projeto Beth Bruno nasceu, não podíamos fazer ideia de que depois de tanto tempo ele estaria ajudando pessoas nesse momento em que o planeta adoeceu. Acredito que o maior mérito do projeto, além de ter oferecido novos instrumentos de trabalho para os agentes, foi ter colocado todos nós juntos, numa rede de união tecida nesses dez anos”, avalia Luciana Chammas, co-criadora e coordenadora do Projeto Beth Bruno, gerenciado pelo Instituto Healing. Conheça todas as atividades do Instituto Healing: https://healing.com.br/instituto-healing/

Sinergia entre a Homeopatia e os Florais de Bach

Durante a pandemia, a população atendida pelo Projeto Beth Bruno teve acesso ao composto homeopático preventivo para a COVID-19, segundo as orientações da Associação Brasileira de Homeopatia Popular e Comunitária (ABHP). O complexo homeopático, formado por Arsenicum album, Osciloccocinum e Influenzinum, foi recomendado como profilaxia complementar para a COVID-19, conforme estudos realizados com pacientes da China, Índia, Irã e Cuba.

Como a entidade esclarece, o composto homeopático preventivo contribui para o aumento da vitalidade e o fortalecimento da imunidade com relação aos sintomas da COVID-19, incluindo as respostas emocionais relacionadas à pandemia.  É importante salientar que ele não oferece risco algum nem apresenta reações adversas, podendo ser utilizado em qualquer faixa etária, mesmo em pessoas com doenças associadas, que utilizem medicamentos alopáticos com regularidade.

Os Florais de Bach, associados ao composto homeopático, também foram fundamentais para o resgate do equilíbrio emocional das pessoas durante esse período tão turbulento. Com o auxílio das essências, muitos puderam encontrar força, coragem e ânimo para vencer essa situação. “Nos últimos dez anos, nós nos preparamos para enfrentar a pandemia, pois o impacto é muito grande. Se não fossem as práticas integrativas e complementares disponíveis, teria sido muito mais sofrido, porque as pessoas sentem muito medo e insegurança”, reconhece Marialva.

Do suporte emocional ao fortalecimento do organismo

Confira, a seguir, como o Projeto Beth Bruno tem afetado positivamente a vida das pessoas durante a pandemia:

Santarém – Pará

“Nesse tempo de pandemia, em que muitas pessoas perderam a esperança, o foco de suas vidas, a alegria de viver, o projeto Beth Bruno se torna ainda mais especial na vida dos terapeutas e de tantas outras pessoas que tiveram a oportunidade de usufruir dos benefícios e do aprendizado através desse projeto maravilhoso, que chegou até nós para que tivéssemos uma vida de qualidade, de abundância. Todas as terapias que oferecemos noGrupo Conquista de Ervas Medicinais (GCEM) são associadas aos Florais de Bach como um suporte fundamental. Muitas colegas mantiveram o atendimento presencial nesse tempo de pandemia com muita fé na proteção divina, com o sentimento de caridade, de ajuda às pessoas que nos procuram. Tem sido um período de trabalho intenso, com uma quantidade significativa de atendimentos, pessoas que nos procuram pedindo alento. Os florais, especialmente, têm ajudado muito aqueles que chegam com sintomas depressivos, ansiedade, medos, desesperança, a recuperarem o equilíbrio e a voltarem a ter esperança, alegria e coragem para o enfrentamento da situação atual. Que alegria participar desse projeto e poder ajudar tantas pessoas, inclusive deixando as crianças mais tranquilas, pois os florais são feitos para a alma se aquietar e reencontrar seu equilíbrio”.

Maria Lenice Ezequiel da Silva, terapeuta do Grupo Conquista de Ervas Medicinais (GCEM).

“Nós da Pastoral da Saúde de Santarém e terapeutas temos a gratidão de contar com os florais. Dr. Bach deixou essa grande bênção nas nossas mãos. Com eles nós podemos ajudar as pessoas na pandemia com seus vários problemas, como ansiedade, depressão, estresse, cansaço físico e mental. É uma graça de Deus que faz com que a gente ajude as pessoas a se encontrarem, a buscarem no seu interior a sua própria cura. Muitas pessoas chamam os florais de “Gotinhas do Céu”: 4 gotas, 4 vezes ao dia, estão salvando vidas”.

Regina Bento da Cruz, membro da Pastoral da Saúde de Santarém.

Itaituba – Pará

“Vivemos tempos difíceis.  Aqui em Itaituba muitas pessoas recorreram aos tratamentos de terapias alternativas por meio do Projeto Beth Bruno, incluindo a homeopatia, para o aumento da imunidade; os Florais de Bach, para estados emocionais como ansiedade, pânico, depressão, entre outros; auriculoterapia nos pontos para aumentar a imunidade; além de reiki e biomagnetismo à distância, xaropes caseiros, inclusive o leite do cumarú com o dente do porcão torrado, para combater a infecção pulmonar. Tive vários relatos de pessoas que ficaram bem com esses remédios. A palavra que define todo esse processo se chama gratidão em poder servir a Deus e ao próximo”.

Nazaré Amorim, terapeuta.

Trairão – Pará

“Nesse tempo de pandemia, a Pastoral da Saúde de Trairão não ficou de braços cruzados. Iniciamos nossas ações com uso de florais e homeopatia para toda a equipe da pastoral (10 integrantes). Em seguida, levamos esse tratamento a todos os profissionais do Hospital Municipal de Trairão, onde foram realizados auriculoterapia com florais e homeopatia. Naquele momento, ainda não tínhamos nenhum caso de COVID-19 confirmado na região oeste do Pará. Como ninguém ainda não tinha conhecimento do vírus, a população tinha muito medo de se contaminar. Então, quando a pastoral veio com esse tratamento, a população aceitou de mãos abertas para resolver a situação. O resultado foi positivo. A pastoral também ofereceu o composto homeopático para aumentar imunidade contra a COVID-19. Nesse cenário, o Projeto Beth Bruno veio como uma luz para todos”.

Daiana Vieira Cesar, membro da Pastoral da Saúde de Trairão.

Medicilândia – Pará

“Esse ano o trabalho foi intenso por conta da pandemia, esse vírus que tirou o sossego de muitas famílias. Como terapeuta, dei minha contribuição para que as coisas melhorassem entre as famílias daqui, envolvidas com a agricultura familiar na produção de cacau. Elas aceitaram o tratamento preventivo com homeopatia. As pessoas infectadas pelo coronavírus, que já tomavam a homeopatia há cerca de 30 dias, tiveram sintomas mais amenos, não precisaram ser hospitalizadas. Receber de volta o agradecimento das famílias é muito gratificante, não tem preço”.

Cliciane Ferreira Jorge, agricultora, terapeuta e homeopata popular.

Altamira – Pará

“Venho relatar a experiência com Florais de Bach que estou presenciando com minha mãe de 49 anos. Grandes mudanças estão acontecendo no emocional e no comportamental dela. Os primeiros resultados começaram a aparecer com duas semanas de uso. Ela está alegre (sempre reclamou de tristeza), além de organizada, amorosa, segura, com autoestima. Voltou a ter objetivos e sonhos. Antes, dormia muito devido à quantidade de remédios que tomava. Agora, com dois meses de tratamento, levanta cedo com um sorriso largo no rosto, disposta, centrada. O mundo precisa saber disso: os florais curam o emocional”.

Gisele Marques de Almeida, usuária do Projeto Beth Bruno.

Monte Alegre – Pará

“O Projeto Beth Bruno na Pastoral Santa Clara tem sido de grande relevância para as famílias.  Foram entregues aproximadamente 45 vidros de composto homeopático para a imunidade e  também Florais de Bach. Essa dupla – florais e homeopatia – facilita a cura e o bem-estar das pessoas”.

Maria José Oliveira da Silva, agente de saúde.             

Roraima

“Distribuímos mais de 500 compostos imunológicos e mais de 150 florais, que foram fundamentais para ajudar na serenidade das pessoas. Quando percebíamos um abalo emocional, recomendávamos o Five Flower. Ele foi acolhido e batizado de “gotinhas milagrosas”. Também foram usados biomagnetismo, xarope artesanal, reiki e diversos chás. Inclusive, a coordenadora da organização dos professores indígenas de Roraima, Edith da Silva Andrade, levou 100 unidades da homeopatia para os professores indígenas do estado, protegendo assim esses profissionais e suas famílias”.  

Maria Lucia Monteiro, agente de saúde.                    

Comunidades indígenas no território do Xingu

“80% da aldeia Sampaio foi contaminada. Os indígenas tomaram a homeopatia e estão se sentindo muito bem. Na aldeia Taquara também, disseram que estão muito bem. Em Murutinga, onde três pessoas testaram positivo, a homeopatia chegou e, com os devidos cuidados, a aldeia, com quase 3 mil pessoas, segue sem novos casos. Os cerca de 12 mil Muras registraram a morte de duas pessoas até o momento. Elas tinham a saúde bem abalada. Graças à medicina tradicional, aos cuidados e à homeopatia, os demais estão resistentes. Louvamos e agradeçamos ao criador por ter deixado todas estas maravilhas ao alcance do ser humano.”

Joilan Kipaia dos Santos, liderança indígena, apoiadora do Projeto Beth Bruno.

Gostou dessa matéria? Saiba mais sobre o Projeto Beth Bruno.

Para o topo