Presidiários fazem curso de florais de Bach

Facilitadora do curso Aprenda a usar florais de Bach Healingherbs ministra curso social a detentos de Porto Velho que participam da ACUDA, uma entidade sem fins lucrativos, que investe no autoconhecimento e na capacitação profissional dessas pessoas, muitas vezes, excluídas da sociedade

Marco Antonio ouvia encantado a facilitadora Lucimar Teixeira falar sobre o Dr. Bach: como ele descobriu as primeiras flores que deram início à terapia floral e para que servem os florais de Bach.

“Ele encontrou muitas dificuldades para promover a terapia. Mas o que mais me tocou foi ver o interesse dele em cuidar das outras pessoas que precisavam ser cuidadas”, diz.

Lucimar, de Ji-Paraná-RO, tinha ido à capital Porto Velho para dar o curso dos florais de Bach a 18 internos, de 23 a 50 anos. O convite foi feito por Luiz Marques, diretor da Associação Cultural e de Desenvolvimento do Apenado e do Egresso (ACUDA), uma entidade sem fins lucrativos, localizada entre dois presídios de segurança máxima, onde o curso foi ministrado. “O objetivo principal é que as pessoas privadas de liberdade sejam empoderadas para cuidar de si e do próximo e reger seu destino enquanto estiver no sistema prisional. E também colaborar na melhora da saúde física e mental dos detentos e promover a capacitação profissional em terapia para atuarem enquanto estiverem no projeto ou fora dele, caso queiram”, explica Marques, terapeuta holístico transpessoal.

Num país como o Brasil onde o sistema penitenciário e os presidiários são tratados com descaso, sem que haja um projeto de reinserção na sociedade de qualidade, a ACUDA desponta nesse cenário como modelo a ser seguido. Impressiona também o método usado pela Associação que utiliza diversas técnicas para estimular o autoconhecimento e o amor próprio. “Eles já fizeram diversos cursos que integram as Práticas Integrativas e Complementares (PICS), como reiki, massoterapia, ioga e meditação. E agora estão recebendo o conteúdo dos florais de Bach”, conta Lucimar, que também é bióloga e parceira do Projeto Beth Bruno, gerenciado pela Healing.

“Nessa primeira etapa, eles aprenderam Os doze curadores e Os sete auxiliares. Em março ou abril, volto para fazer o último repasse, que são Os dezenove complementares.” Além de conhecerem as essências, no final dessa primeira etapa Lucimar os ensinou a preparar as fórmulas e o uso correto de se tomar. “E cada um deles preparou três frascos para seus familiares. Os casos envolviam traumas, ansiedade e depressão.”

Elivaldo de Brito, que também participou do curso, diz que quer continuar tomando os florais e estudar ainda mais. “Já trabalho como terapeuta holístico e quero inserir essa terapia no meu atendimento”, conta ele, impressionado com o conhecimento de que cada floral criado por Dr. Bach reflete um determinado tipo de personalidade. “O interessante de trabalhar com os florais é que posso fazer uma junção dele com outras terapias para conseguir um resultado mais significativo com os pacientes.”

 Lucimar – também coordenadora das pastorais da diocese de Ji-Paraná e da Pastoral da AIDS da regional noroeste – diz que é difícil expressar o quanto foi importante para ela ministrar esse curso e conhecer de perto o trabalho da ACUDA. “É tudo muito bem organizado, eles sempre têm momentos de oração e meditação. E dar essa oportunidade a essas pessoas excluídas da sociedade de ter um conhecimento que vão levar para suas vidas e familiares, é maravilhoso. Nós, de fora, não temos a mínima ideia do quanto isso é importante e a mídia não divulga esse trabalho.”

Criada em 2001, Marques conta que no começo as atividades da Associação eram realizadas somente com pessoas do regime fechado e semiaberto do presídio Ênio dos Santos Pinheiro. “Desde 2012, ampliamos para os presídios Centro de Ressocialização Vale do Guaporé e o Aruana. E hoje atendemos ainda jovens que cumprem medidas socioeducativas na Unidade de Internação Masculina.”

Marco Antonio, que ouvia atento Lucimar, diz que antes de fazer o curso não tinha noção do valor das emoções.

“Mas aprendi que as emoções existem para nos ajudar. Como, por exemplo, a raiva. Se for bem empregada, podemos construir prédios, levantar obras e viver bem. Estaremos em equilíbrio. E o floral passou isso para mim, uma forma de autocontrole e não usar a raiva na colocação negativa mas sim na colocação positiva.”

Sobre a ACUDA:

“Queremos desenvolver o auto amor nesses homens privados de liberdade, egresso, e jovens que cumprem medidas socioeducativas, facilitando sua integração à sociedade, por meio da restauração e manutenção dos vínculos afetivos familiares e sociais. Para este fim, utiliza-se de cinco pilares: Educação, Vínculos afetivos, Assistência, Terapêutica e Espiritualidade, que utilizam diversas técnicas e práticas avançadas, estimulando-os ao autoconhecimento e à prática da justiça restaurativa, pois embora “ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim”.

CONTATOS

ACUDA: acuda-rondonia@hotmail.com

LUCIMAR TEIXEIRA: lucimar.teixeira1@gmail.com

Para o topo