Terapia Floral chega ao ensino público de São Paulo

A parceria entre o Instituto Healing e a Fundação Paulistana leva a terapia floral à única escola de saúde pública da cidade de São Paulo

A parceria entre a Fundação Paulistana, a Blossom e o Instituto Healing forma profissionais e aproxima o cuidado sutil da população carente

Os Florais de Bach chegaram oficialmente à única escola de saúde pública da cidade de São Paulo, a Escola Municipal de Educação Profissional e Saúde Pública Professor Makiguti, localizada na Cidade Tiradentes, na zona leste da capital.

A parceria da Fundação Paulistana de Educação, Tecnologia e Cultura – entidade da Prefeitura de São Paulo -, com a Blossom e o Instituto Healing nasceu da demanda da própria escola, que, atualmente, oferece os cursos técnicos de Saúde Bucal, Farmácia, Análises Clínicas, Gerência em Saúde, Hemoterapia e Cuidados de Idosos.

“O desejo de conhecer a Terapia Floral mais a fundo partiu dos próprios alunos da Makiguti, impactados por uma palestra sobre o tema realizada em abril de 2019, durante a Semana da Saúde”, conta a diretora da instituição, Valdirene Tizzano.

Todos os estudos, formação e pesquisas sobre os florais de Bach não têm sentido se não chegarem àqueles que mais precisam”, pondera Luciana Chammas, presidente da Healing.

Luciana enxerga a necessidade de popularizar as práticas integrativas e complementares para os mais carentes, no sentido de desconstruir o estigma de que esses recursos são alternativas da elite. Pelo contrário, são terapias acessíveis.

Formação centrada no autoconhecimento

A turma inaugural contou com 58 participantes, entre alunos, profissionais da saúde e membros da comunidade. Foram 60 horas de estudos – 40 presenciais e 20 na plataforma da Blossom -, além de encontros online mensais para discussão de casos.

O curso aborda não apenas os florais de Bach, mas a terapia na prática, ou seja, o processo terapêutico, o autocuidado, a indicação das essências e estudos de casos.

“Como sempre, damos especial atenção ao autoconhecimento, pois acreditamos que não há como trabalhar com os florais se não lançarmos um olhar para o que acontece internamente”,

ressalta Luciana Chammas.

O sucesso e a adesão às novas práticas fizeram com que os florais de Bach sejam discutidos em uma das disciplinas da matriz curricular do curso de Farmácia.

Novas frentes de trabalho

A gestão pública quebrou paradigmas. Hoje profissionais da saúde, gestores e pacientes estão cada vez mais abertos à proposta de equilíbrio físico e emocional vindo das Práticas Integrativas e Complementares. A prova disso é o aumento da oferta dessas linhas terapêuticas nos Centros de Práticas Naturais (CPN) e nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

“Dentro desse cenário, entendemos a importância de oferecer o curso aos demais alunos e membros da comunidade nos próximos semestres”, afirma Andrea Lua Cunha Di Sarno, Diretora Geral da Fundação Paulistana de Educação, Tecnologia e Cultura.

A Fundação Paulistana tem enxergado a formação em Terapia Floral como um novo direcionamento de vida e carreira para muitos profissionais da saúde e outros interessados. “Eles podem colocar em prática a terapia floral dentro das UBS e dos CPN e as demais pessoas podem se tornar terapeuta floral domiciliar ou oferecer atendimento em consultório, assim gerando renda”, conclui Andrea Lua.

Sensibilidade para cuidar de si e do próximo

Suely Tomimura, cirurgiã-dentista, que atua no Centro de Práticas Naturais da Prefeitura de São Paulo, em Cidade Tiradentes, foi uma das profissionais atraídas pela possibilidade de expandir os recursos terapêuticos que possam auxiliar seus pacientes.

O curso na Makiguti, ela destaca, foi uma imersão das mais instigantes, já que a didática proposta pelas professoras buscava o tempo todo despertar a sensibilidade e o uso da intuição.

A dimensão social do projeto só veio ampliar a relevância da formação. “Saber que a Terapia Floral será dirigida a uma população tão carente no extremo leste de São Paulo deu um sentido ainda maior ao trabalho que exerço na saúde pública”, confessa Suely.

No plano pessoal, a experiência também foi contundente. “Não dá para sair a mesma pessoa depois que você conhece o poder dos florais. Entendê-los é entender o próximo e a si mesmo”, ela vibra, desejosa por mergulhar em outras Práticas Integrativas e Complementares.

A transformação é sempre possível

O professor e coordenador pedagógico, Kleber Tellini de Andrade, inicialmente se interessou por conhecer o funcionamento dos Florais de Bach, além da busca por equilíbrio. O que descobriu no decorrer das aulas, contudo, extrapolou suas expectativas:

“O curso movimentou toda a minha vida, principalmente em relação às escolhas. Me fez enxergar coisas em mim que eu não via”, revela.

Transformado e sedento por aprofundar a pesquisa sobre os florais, já que é químico de formação, Kleber afirma que levará do curso um aprendizado fundamental para a caminhada do Ser nessa existência.

“Aprendi que a mudança sempre é possível e que ela acontece de dentro para fora, nunca de forma inversa”.

Mais informações:

Escola Municipal de Educação Profissional e Saúde Pública Professor Makiguti

Tel:(11) 2558-8884

escolamakiguti@prefeitura.sp.gov.br

tags
Para o topo